Quais os tratamentos da disfunção erétil?

A disfunção erétil pode ser tratada em qualquer idade, sendo o tratamento dependente do estado de saúde geral do paciente e das causas do problema.

Nalguns casos, alterações ao estilo de vida como deixar de fumar, perder peso, etc, podem só por si ter um impacto positivo na disfunção erétil, não sendo necessários tratamentos adicionais. No caso de tomar certos medicamentos, como antidepressivos, anti-hipertensores etc, um ajuste de dose ou a substituição por outro tratamento, recomendado pelo seu médico, podem melhorar a capacidade de ereção.

Porém, a maioria dos homens com disfunção erétil necessita de seguir tratamento para conseguir e/ou manter uma ereção suficiente para uma relação sexual satisfatória.

Medicamentos de administração oral

Homem a segurar comprimidoOs medicamentos de administração oral são a primeira linha de tratamento para a disfunção erétil. Estes consistem em substâncias classificadas como inibidores da PDE-5, uma enzima que quando em abundância restringe a circulação sanguínea para o pénis, mantendo-o flácido.

As substâncias que se seguem, são vulgarmente conhecidas pelos seus nomes comerciais e aumentam o aporte sanguíneo para o pénis para que a ereção ocorra, mediante estimulação sexual.

Sildenafil (Viagra®)

Comercializado pela Pfizer desde 1998, o Viagra contém o princípio activo sildenafil e foi o primeiro medicamento criado com a intenção de tratar a disfunção erétil. Apresenta-se nas doses de 25mg, 50mg e 100mg, recomendadas de acordo com o estado de saúde do paciente e o grau de disfunção erétil. Os efeitos têm uma duração até 4 horas e iniciam-se entre 30 minutos a 1 hora após a toma.

Tadalafil (Cialis®)

O tadalafil produzido pela farmacêutica Lilly é o tratamento para a disfunção erétil com efeitos mais prolongados, até 36 horas. Apresenta-se em duas doses, 10mg e 20mg, recomendadas de acordo com o estado de saúde do paciente e o grau de disfunção erétil. Os seus efeitos têm início 30 minutos após a toma.

Para além das doses de 10mg e 20mg, tomadas consoante a necessidade, o Cialis conta ainda com uma versão diária, de 2,5mg ou 5mg, com efeitos constantes.

Vardenafil (Levitra®)

O vardenafil produzido pela Bayer é considerado o tratamento para a disfunção erétil mais seguro, sendo frequentemente recomendado a pacientes com outras condições de saúde subjacentes. Apresenta-se nas doses de 5mg, 10mg e 20mg, administradas mediante a avaliação do estado de saúde do paciente e o grau de disfunção erétil. Os seus efeitos têm a duração de 5 horas e iniciam-se 15 a 30 minutos após a toma.

O vardenafil também se apresenta numa versão orodispersível de 10mg, que facilita a sua administração.

Outros tratamentos

Por falta de resposta aos tratamentos de administração oral, podem ser recomendados tratamentos de segunda linha ou terceira linha, entre os principais encontram-se as injeções intracavernosas, os dispositivos de vácuo e a cirurgia. Tal como os medicamentos de administração oral, qualquer uma destas opções está sujeita a recomendação médica, realizada de acordo com o grau de disfunção erétil e o estado de saúde geral do paciente.

Injeções intracavernosas

Consiste numa injeção de alprostadil directamente no pénis de forma a promover a ereção. A injeção é feita na base do pénis tendo efeito nos 5 a 20 minutos seguintes e durando este até 1 hora. É possível que a ereção perdure após a ejaculação, contudo o pénis voltará à sua flacidez normal após o fim dos efeitos. A injeção de alprostadil não está aconselhada para uso superior a três vezes por semana, sendo necessário fazer um intervalo de pelo menos 24 horas antes de uma nova administração.

Dispositivos de vácuo

Bomba penianaConsiste na aplicação de um cilindro de acrílico no pénis, que com o auxílio de uma bomba cria vácuo e permite a obtenção de uma ereção por motivar a deslocação de sangue para a ponta do pénis. As bombas de vácuo têm também incorporado um anel de constrição colocado no fim do cilindro que será posteriormente aplicado no pénis para manter a ereção após a sucção feita pela bomba. O anel de constrição pode ser mantido durante a relação sexual, contudo deve ser retirado ao fim de 30 minutos após a colocação. Os dispositivos de vácuo podem ser bombeados à mão ou com o auxílio de uma bateria. A colocação do anel de constrição na base do pénis pode restringir a ejaculação ou retardar este reflexo.

Cirurgia

É considerado o tratamento de último recurso, recomendado em de caso insucesso das outras opções. Pode assentar em duas hipóteses: na aplicação de uma prótese/implante no pénis ou na reconstrução vascular para melhorar a circulação de sangue para o pénis.

A colocação do implante ou prótese é feita cirurgicamente nas câmaras do pénis, sendo o tipo mais comum a prótese hidráulica, insuflável, devido ao seu funcionamento mais natural.

A reconstrução vascular geralmente envolve o bypass das artérias bloqueadas do pénis pela transformação de uma artéria do músculo abdominal numa artéria peniana, de forma a criar um novo trajecto à circulação sanguínea para o pénis.